QUER ENTENDER COMO

TUDO COMEÇOU?

O mundo tem se mostrado um oceano de informações trazidas pela modernidade e suas mil tecnologias de comunicação. Todos os dias somos expostos/expostas a centenas de notícias, boatos, notificações no celular, outdoors e capas de revistas. São estímulos visuais e de texto que buscam chamar a nossa atenção para nos falar algo. As relações interpessoais se transformaram. Se antes era priorizada a vida em comunidade e o contato mais próximo, hoje, elas deram espaço a outro tipo de articulação. Entraram em cena as conexões, que podem ser desfeitas e descartadas com a mesma velocidade com que foram realizadas.

 

"Vivemos em tempos líquidos.
Nada foi feito para durar."
afirma o pensadoR
polonês Zygmunt Bauman

 

Nesse contexto, torna-se cada vez mais difícil reter nossa atenção, transmitir uma ideia e engajar as pessoas, já que os vínculos têm se mostrado frágeis e sujeitos aos movimentos e organicidade das marés. E aí a gente te pergunta: como você tem remado seu barco? Nesse mar movimentado onde estamos imersos e imersas em uma quantidade cada vez maior de palavras que falam, mas não transmitem, precisamos reaprender a dizer, a mobilizar, a trabalhar nossas emoções e a nos comunicar melhor entre nós.

 
 

e se estamos vivendo os desdobramentos de uma modernidade líquida,

precisamos usar as propriedades do elemento-chave desse tempo:

a água.

Em contato com o calor, ela é purificada. Uma vez que torna-se vapor, propaga-se como chuva e, novamente, em sua forma líquida pode assumir os mais diversos formatos, moldando-se conforme a situação. É hora de reaprender a se comunicar, a se expressar com autenticidade para contar histórias genuínas das realidades que estamos criando. E que saibamos usar sua fluidez para diluir barreiras, assumir formas variadas e ocupar espaços múltiplos.

 
 

A comunicação do agora requer a fluidez e adaptabilidade da água, requer empatia e cuidado com as palavras e na maneira como nos expressamos. Porque palavra é poder. Palavra é emoção, é mobilização, é choro de alegria, de tristeza ou de resiliência. Palavra é comunicação e comunicar é compartilhar. E você, já pensou no que tem a dividir?

 

Busque sua essência criativa, dilua a solidez de suas certezas e let’s be water, my friend!